7 passos para estabelecer uma boca comunicação no escritório

Segundo especialista da Robert Half, boa comunicação pode tornar relações mais fluidas e transformar diferenças em complementos

Em um mercado compostos por diferentes gerações, incluindo baby boomers, X, Y e X, a comunicação ganha uma importância ainda maior para um bom ambiente de trabalho, conforme aponta a empresa especializada em recrutamento Robert Half.

Segundo um novo texto sobre o assunto da companhia, uma boa comunicação permite que as diferenças entre essas gerações se transformem em complementos, além de tornar as relações entre elas mais fluídas, “já que há a necessidade desse grupo dividir o ambiente, as tarefas e as responsabilidades”.

Para auxiliar os gestores a estabelecerem uma boa comunicação nos escritórios, o diretor geral da Robert Half, Fernando Mantovani, destaca sete sugestões de práticas neste sentido. Confira abaixo!

Elimine a cultura dos estereótipos – Considero um equívoco rotular um colaborador com base na geração a que ele pertence. Acredito que, independentemente da idade, todo profissional tem capacidade de evoluir, desde que exista vontade para isso. Então, trabalhe para que o time pense da mesma forma.

Crie um canal de diálogo – Priorize o diálogo, sempre. Hoje, os profissionais têm mais necessidade de serem ouvidos e entender os motivos das ações. Então, faça valer o seu direito de discurso, mas demonstre abertura para ouvir e faça isso com sinceridade.

Estimule a interação – Algumas organizações promovem programas internos nos quais, por exemplo, os mais jovens orientam os mais seniores sobre questões relacionadas à tecnologia, enquanto os veteranos auxiliam os novatos na resolução de dilemas sobre a carreira. Ações como essas tendem a estimular a empatia e eliminar as ameaças competitivas.

Valorize a experiência – Diante de algum desafio da companhia, promova o encontro de diferentes gerações para que, juntos, decidam a melhor estratégia a seguir. Ao criar esse momento, é possível que surjam soluções inovadoras. Alinhe expectativas – Os profissionais tendem a se sentir mais seguros quando entendem os próprios direitos e deveres, e o que a empresa espera deles à frente do cargo. Não deixe também de estabelecer uma rotina de feedback claro e objetivo.

Respeite as limitações – É possível, por exemplo, que alguns profissionais tenham mais dificuldade que outros quanto aos constantes avanços da tecnologia. Caso identifique esse perfil entre os membros do grupo, chame a pessoa para uma conversa de orientação, em particular, sem expor o cenário na frente dos demais.

Engaje e motive – Poucos profissionais têm admitido a regra de fazer uma atividade por fazer. Eles precisam entender o propósito das ações e para onde a companhia está caminhando. Dessa forma, é preciso investir em ações que engajem e motivem.

Fonte: CIO